Seguidores

Impostos sendo arrecadados no Brasil

o céu ganhou mais um anjo

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Senado aprova jornada máxima de trabalho para motoristas

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira (13) um substitutivo ao projeto de lei da Câmara que regulamenta a profissão de motorista. De acordo com o texto aprovado, os motoristas profissionais poderão dirigir sem interrupção por no máximo quatro horas com descansos mínimos de 30 minutos. A matéria ainda precisa ser reavaliada pela Câmara.

O texto estabelece exceções em que o motorista poderá dirigir por mais tempo, caso a carga exija ou a estrada não tenha pontos de paradas de cada quatro em quatro horas. Nestes casos, passam a vigorar outras regras.

A cada 12 horas de viagem, por exemplo, o motorista terá direito a 36h de descanso e em um período de 24 horas, ele precisa descansar, obrigatoriamente, por 11h.
O texto foi aprovado por unanimidade entre governistas e oposicionistas, que disseram acreditar na redução no número de acidentes no trânsito a partir de sua aprovação. "O motorista não apenas se sacrifica para trabalhar mais do que deve, mas também pode sacrificar pedestres e motoristas de outros veículos", disse o senador Cristovam Buarque (PDT-DF).

O projeto também criminaliza o empresário que não cumpre a jornada. O condutor que desobedecer a determinação será multado por infração grave e terá o veículo apreendido, segundo o texto.

Para um dos relatores do substitutivo, senador Paulo Paim (PT-RS), a fiscalização poderá ser feita com a ajuda de sindicatos de motoristas. "O sindicato denuncia e se a empresa não tiver comprovação, vai ser punida", disse.

Segundo ele, a definição da jornada agrada tanto motoristas quanto empregadores. "É uma construção coletiva, há consenso entre empresários e trabalhadores, um meio termo do que seria o ideal. O que os empresários queriam um conforto legal, algo que balizasse a atuação deles", disse.

O texto original do projeto estabelecia um adicional de periculosidade mínimo de 30% sobre o valor do salário e direito a aposentadoria especial após 25 anos de serviço. Esses pontos, no entanto, não foram aceitos pelo governo.

Segundo Paim, eles devem ser contemplados em outro projeto de sua autoria que cria o Estatuto do Motorista. "É algo penoso porque envolve gastos e o governo criou impasse. Só houve acordo para aprovar a jornada", afirmou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu cometário foi muito importante e será guardado. Obrigado.

Diga Não

Diga Não

Arquivo do blog

Ocorreu um erro neste gadget

Vivemos nesse país.

Vivemos nesse  país.
Esperamos melhoras

Postagens populares

Minha lista de blogs

Total de visualizações de página

Hino dos politicos deste nosso país dos canalhas

Convenção dos honestos contra nossos politicos ladrões.