Seguidores

Impostos sendo arrecadados no Brasil

o céu ganhou mais um anjo

sábado, 26 de novembro de 2011

Por dentro do navio petroleiro de Eike Batista



Foto: Dario Zalis
O navio-plataforma OSX-1, atracado no porto do Rio de Janeiro
O carioca que passa pelo porto do Rio observa um grande navio novo em folha ancorado na Baía de Guanabara. Não é bonito nem tem o brilho dos transatlânticos que começam a chegar ao Rio nesta temporada de quase verão. O gigante de 271 metros de comprimento que chama a atenção é o OSX-1, primeira embarcação fabricada pelo estaleiro do grupo EBX, que será responsável pela produção inicial de petróleo da OGX, também do empresário Eike Batista.
A produção deve começar na última semana de dezembro deste ano no campo de Waimea, na Bacia de Campos (RJ), segundo Carlos Bellot, diretor da OSX.

Foto: Dario Zalis Ampliar
Área do navio destinada ao processamento do petróleo extraído do fundo do mar
Entrar nesse gigante não é tarefa simples, mesmo para uma simples visita. Para começar, a reportagem do iG teve que encarar uma longa escadaria. A alternativa era pior: ser suspenso por um guindaste a bordo de uma cesta ao sabor do vento nem sempre hospitaleiro. Dentro do OSX-1, é obrigatório o uso de equipamentos de segurança: capacete, óculos de proteção, luvas. O calçado não pode ter cadarço, deve ser fechado e ter solado de borracha. Também são obrigatórias a calça comprida e camisas ou camisetas de mangas compridas. Durante a operação do navio, o protetor auricular também é exigido. A entrada com telefones celulares e computadores também é proibida. As medidas de segurança devem ser seguidas por trabalhadores e visitantes, sem distinção.
Os números do OSX-1 impressionam. O navio custou US$ 610 milhões, cerca de R$ 1 bilhão. É do tipo FPSO - Floating production, storage, and offloading, ou unidade flutuante que produz, armazena e descarrega óleo, também conhecido como navio-plataforma. A capacidade de produção diária é de 60 mil barris de óleo por dia, e a de armazenamento é de 900 mil barris.
Veja vídeo preparado pela OSX para a apresentação do navio-plataforma
A unidade foi montada em Cingapura e viajou por 45 dias para chegar ao Rio, depois de passar 12 meses sendo customizada para operar na Bacia de Campos. Antes de seguir para o campo de Waimea, chegou a ser interditado pelo Ministério do Trabalho, por não atender a normas de segurança para os trabalhadores, mas os problemas serão facilmente superados, segundo executivos da OSX.
Nos primeiros meses, o OSX-1 fará parte de um Teste de Longa Duração (TLD). Durante este período, o navio deve produzir entre 15 e 20 mil barris de óleo por dia. Este período de testes tem o objetivo de dar mais informações sobre as características do campo à empresa.

Foto: Dario Zalis Ampliar
Funcionário com equipamento de segurança transita pelo maquinário do navio-plataforma
A unidade fica ancorada por meio do turret, uma peça que leva o óleo do fundo do mar para dentro do navio e também permite que o FPSO fique fixo ao fundo do mar, mas ao mesmo tempo flutue de acordo com os ventos e as ondas. O óleo passa para o manifold, um conjunto de válvulas que separa o petróleo e o distribui para as unidades de processamento do navio.
Outro módulo da unidade retira o excesso de água e de sal do petróleo. A água é novamente tratada para ser devolvida ao mar sem óleo, ou reinjetada no poço para preencher o espaço deixado pelo óleo – nesse segundo caso, é necessário retirar o sulfato e o oxigênio, para evitar o crescimento de bactérias junto do petróleo que ainda vai ser retirado.
Dentro do navio também é processado o gás retirado junto do petróleo. No caso do campo de Waimea, como a quantidade de gás é pequena, serve apenas para gerar energia elétrica para o funcionamento do próprio navio. Um módulo trata o gás e outro produz eletricidade a partir dele.
Veja em detalhes a planta do OSX-1
O FPSO também tem uma área chamada de casario, onde ficam asáreas de controle, refeitórios, dormitórios, bibliotecas técnicas e áreas de lazer, entre outras, e um heliponto. Tem capacidade para até 80 pessoas, mas vai trabalhar com 63.
Os funcionários são todos experientes, oriundos de outras empresas de petróleo, especialmente a Petrobras. Para o primeiro navio da frota, a OSX optou por preencher seus quadros apenas com profissionais que já conhecem bem os mares que navegarão. Mas para as próximas unidades, OSX-2 e OSX-3, que deverão ser entregues em 2013, a empresa buscará também profissionais sem experiência no mercado. A seleção começa em janeiro do ano que vem, para os interessados em trabalhar em gigantes como este.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu cometário foi muito importante e será guardado. Obrigado.

Diga Não

Diga Não

Arquivo do blog

Ocorreu um erro neste gadget

Vivemos nesse país.

Vivemos nesse  país.
Esperamos melhoras

Postagens populares

Minha lista de blogs

Total de visualizações de página

Hino dos politicos deste nosso país dos canalhas

Convenção dos honestos contra nossos politicos ladrões.