Seguidores

Impostos sendo arrecadados no Brasil

o céu ganhou mais um anjo

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Greve entra pelo segundo semestre letivo em Minas Gerais Governo e categoria não se acertam sobre valor do piso. Greve atinge 18% das escolas, diz secretaria; sindicato estima adesão de 50%.

                                                                                                                                                                                        
A greve dos professores da rede estadual entra pelo segundo semestre do ano letivo em Minas Gerais. O   retorno às aulas após as férias escolares não aconteceu para todos os estudantes no estado. A paralisação, iniciada em 8 de junho, é resultado da falta de acordo entre o sindicato que defende a categoria e o governo estadual quanto ao valor do piso salarial.

A paralisação completa 61 dias corridos nesta segunda-feira (8). Dentro desse total, são 33 dias letivos que vão precisar de reposição das aulas.
De acordo com a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, a paralisação atinge 18% das 3.777 escolas públicas estaduais: 2% estão totalmente paradas e outros 16% em paralisação parcial. Para o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG), a adesão é maior e atinge 50% das escolas.
O Sind-UTE/MG reivindica um piso salarial de R$ 1.597,87 para jornada de 24 horas e Ensino Médio de escolaridade. O valor defendido pelo sindicato segue cálculo feito pela Confederação Nacional dos Trabalhadores de Educação (CNTE).
A Secretaria de Estado de Educação afirma cumprir o piso salarial nacional definido pelo Ministério da Educação (MEC), fixado em R$ 1.187,97 para jornada de 40 horas semanais. De acordo com o governo, os servidores cumprem jornada de 24 horas semanais no estado, e, observada a proporcionalidade, os profissionais com nível médio de escolaridade recebem R$ 1.122 em parcela única.
No dia 6 de abril, o Supremo Tribunal Federal (STF) manteve a lei que criou o piso nacional de salário do professor, fixado em R$ 1.187,97 para este ano. A decisão considerou como piso a remuneração básica, sem acréscimos pagos de forma diversa pelos estados. O Sind-UTE alega que o cálculo do Ministério da Educação está defasado.
Remuneração em Minas
A forma de pagamento adotada pelo governo de Minas Gerais em janeiro deste ano é chamada de subsídio e incorpora todas as gratificações, vantagens, abonos e adicionais recebidos pelos servidores numa parcela única. Servidores puderam solicitar a transferência para o modelo anterior, chamado de vencimento básico. O prazo vence nesta quarta-feira (10). Para estimular a categoria a optar pela remuneração na forma de vencimento básico, o sindicato realizada assembleia estadual nesta terça-feira (9) e participa de mobilização nacional em Brasília na quarta-feira (10). O sindicato critica que o subsidio é remuneração total e não vencimento básico e, portanto, não seria piso.

No sistema anterior, a remuneração é composta de: salário-base (ou piso) e gratificações, abonos, adicionais etc. O salário-base de um professor com formação de nível médio em início de carreira é salário-base R$ 369,89 para uma jornada de 24 horas semanais. Com adicionais, o valor chega a R$ 935, segundo o sindicato. Se esse professor quiser permanecer no subsídio, ganhará R$ 1.122, sem outros adicionais.

O sindicato quer que o aumento do piso para R$ 1.597,87 seja concedido em cima do salário-base atual, de R$ 369,89. O argumento é que, fora desse sistema, ou seja, com o subsídio, não há mais reajustes progressivos como biênios e qüinqüênios e “perspectiva de futuro”. Assim, na visão do sindicato, profissionais qualificados e com diferentes tempos de carreira ganhariam o mesmo valor.

O governo, no entanto, diz que há sistemas de progressão e promoção na carreira por tempo de serviço e escolaridade. De acordo com a Secretaria de Estado de Educação, o servidor pode progredir de dois em dois anos, desde que tenha recebido resultado satisfatório (acima de 70%) em duas avaliações de desempenho. Já a promoção observa a titulação de escolaridade. Assim, segundo o governo, um professor tem seu salário inicial aumentado à medida que tem tempo na carreira e que melhore a sua qualificação.

Ainda de acordo com a secretaria, com a adoção do novo sistema em parcela única, a partir de janeiro deste ano, todos os servidores da educação tiveram ganhos reais em seus salários. No caso dos professores, segundo levantamento feito pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (Seplag), cerca de 23% dos professores de educação básica de Minas Gerais tiveram aumento de mais de 40% nos salários. Outros 41% tiveram reajuste entre 10% e 40%. E para 36%, o aumento foi de até 10%.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu cometário foi muito importante e será guardado. Obrigado.

Diga Não

Diga Não

Arquivo do blog

Ocorreu um erro neste gadget

Vivemos nesse país.

Vivemos nesse  país.
Esperamos melhoras

Postagens populares

Minha lista de blogs

Total de visualizações de página

Hino dos politicos deste nosso país dos canalhas

Convenção dos honestos contra nossos politicos ladrões.